Quero Meu Casamento Firme e Forte: Aspecto 3 – Senso de Humor

por Leslie de Morais

Traduzido por Eliane Mariano de Oliveira Albuquerque

Há diferentes opiniões com relação às coisas que um casamento precisa para se tornar forte ou permanecer forte.  O texto a seguir vem de uma lista compilada de dez características que casais precisam para construir um casamento forte e duradouro.


Item 3: Senso de humor

Ser capaz de rir, rir um com o outro, rir um do outro ou das circunstâncias é possivelmente uma das melhores coisas que existem para suportar momentos difíceis.   É algo que também pode ajudar um casamento a durar.  Senso de humor, alegria e divertimento são alguns dos melhores presentes de Deus para qualquer relacionamento. São coisas que nos levam à felicidade, apreciação e serenidade, mesmo que seja apenas por um momento.  Esses momentos de sorrisos, risadas ou gargalhadas espontâneas aliviam o estresse e diminuem a tensão.  Eles trazem leveza e uma sensação de contentamento no casamento.

O comediante Milton Burle já disse uma vez: “Rir é tirar férias instantâneas.”

Rir não é apenas tirar férias instantâneas. Rir é algo gratuito e dura o tempo que você quiser que dure.

Existe grande segurança num relacionamento quando você sabe que seu parceiro tem a habilidade e o discernimento para usar o senso de humor da maneira certa, em hora e lugar apropriados.

No início, quando conheci Alcides, uma de suas características que mais me atraiu foi seu senso de humor. Era um senso de humor tão diversificado! Ele sabia imitar uma variedade de sotaques e várias pessoas diferentes. Ele fazia comentários geniais sobre acontecimentos do momento e bastava apenas pedir que ele contava o repertório das piadas antigas de seu pai, uma atrás da outra.   Ele conseguia até levar na brincadeira os erros que cometia em inglês (já que o inglês é a segunda língua dele). Ele era muito engraçado. Ou será que é porque eu estava apaixonada? Conseguir rir das piadas do seu marido é um bom termômetro para medir o nível de proximidade em seu relacionamento.

Há duas coisas que são quase impossíveis para uma esposa fazer se há um distanciamento entre ela e seu marido: fazer sexo e rir das piadas dele.

O que as duas coisas têm em comum? Risos, piadas entre o casal e bobeiras, são todas uma forma de intimidade.  Elas são um produto de meses, anos, décadas juntos. Elas comunicam: “Eu conheço você. Eu sei o que você pensa e eu sei o que você está prestes a dizer. Eu o conheço e amo.” O senso de humor nos permite relaxar e baixar nossa guarda, mesmo quando a vida não é perfeita. Nosso tempo juntos parece mais agradável quando conseguimos rir, não importa o que esteja acontecendo.

Quando foi a última vez que você e seu marido deram uma boa gargalhada? Não me refiro a um humor externo vindo de um comediante ou de um programa de TV, mas de uma gargalhada sobre algo entre vocês dois. Talvez uma piada interna. Talvez por causa de alguma coisa que sempre fazia vocês rirem no passado. Se já faz muito tempo, talvez haja um impedimento para sua intimidade. Pode ser alguma coisa estressante ou um assunto não resolvido. Pode ser que vocês simplesmente não tenham tido o tempo de parar e apenas passarem tempo juntos.

Ladrões de senso de humor

O que rouba momentos de diversão que poderíamos estar curtindo com nosso cônjuge?

Todos nós sabemos como a vida é. A expectativa de bênçãos constantes só acontecerá quando estivermos no céu. Neste mundo, poderemos enfrentar problemas e provações de muitos tipos, tais como preocupações, desemprego, dívidas, decepções, enfermidade, perdas, etc…

Já que nenhum de nós está imune aos inúmeros infortúnios que a vida lança em nosso caminho, o melhor plano de ação é aprender a seguir em frente e não deixar que isso roube nossa alegria.

Seguro contra roubo

Há um personagem da Bíblia que escolheu ter uma perspectiva espiritual.  O apóstolo Paulo tomou a decisão de manter seus olhos em um prêmio (o céu, estar unido com Cristo e chegar à presença de Deus) em vez de permitir que o peso dos problemas da vida o puxassem para baixo. E ele tinha problemas bem grandes!

Naquilo em que todos os outros se atrevem a gloriar-se—falo como insensato—eu também me atrevo. São eles hebreus? Eu também. São israelitas? Eu também. São descendentes de Abraão? Eu também. São eles servos de Cristo? — estou fora de mim para falar desta forma — eu ainda mais: trabalhei muito mais, fui encarcerado mais vezes, fui açoitado mais  severamente e exposto à morte repetidas vezes. Cinco vezes recebi dos judeus trinta e nove açoites. Três vezes fui golpeado com varas, uma vez apedrejado, três vezes sofri naufrágio, passei uma noite e um dia exposto à fúria do mar. Estive continuamente viajando de uma parte a outra, enfrentei perigos nos rios, perigos de assaltantes, perigos dos meus compatriotas, perigos dos gentios; perigos na cidade, perigos no deserto, perigos no mar e perigos dos falsos irmãos. Trabalhei arduamente; muitas vezes fiquei sem dormir, passei fome e sede, e muitas vezes fiquei em jejum; suportei frio e nudez. Além disso, enfrento diariamente uma pressão interior, a saber, a minha preocupação com todas as igrejas. Quem está fraco, que eu não me sinta fraco? Quem não se escandaliza, que eu não me queime por dentro?   – 2 Coríntios 11:21b-29 (NVI)

Açoites, espancamentos, apedrejamentos, naufrágios, perigos no mar, não dormir, passar fome e nudez.  Era contra essas coisas que Paulo tinha que lutar. Algumas de nós não conseguiria superar nem sequer uma das coisas dessa lista.  Em vista de todos aqueles problemas, leia o que Paulo escreveu:

Alegrem-se sempre no Senhor. Novamente direi: Alegrem-se! Seja a amabilidade de vocês conhecida por todos. Perto está o Senhor. Não andem ansiosos por coisa alguma, mas em tudo, pela oração e súplicas, e com ação de graças, apresentem seus pedidos a Deus. E a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará o coração e a mente de vocês em Cristo Jesus.  – Filipenses 4:4-7 (NVI)

“Alegrem-se sempre no Senhor? ” Mas como? Talvez você diga: “Você já viu as contas que eu tenho de pagar?” “Não andem ansiosos por coisa alguma?” Talvez você pergunte: “Você tem noção da pressão que eu enfrento no trabalho? ” Talvez Paulo respondesse dizendo: “Não, nem posso imaginar o que você está passando. Você já imaginou ser chicoteada? Ou apedrejada? Ou espancada?”

Levando em conta tudo o que Paulo passou, como ele poderia se alegrar? Como ele poderia ser feliz? Deixe-me ir um pouco mais além nessa comparação: será que ele conseguiria se alegrar em tais circunstâncias?

Alegro-me grandemente no Senhor, porque finalmente vocês renovaram o seu interesse por mim. De fato, vocês já se interessavam, mas não tinham oportunidade para demonstrá-lo. Não estou dizendo isso porque esteja necessitado, pois aprendi a adaptar-me a toda e qualquer circunstância. Sei o que é passar necessidade e sei o que é ter fartura. Aprendi o segredo de viver contente em toda e qualquer situação, seja bem alimentado, seja com fome, tendo muito, ou passando necessidade. Tudo posso naquele que me fortalece.                         – Filipenses 4:10-13 (NVI)

O foco de Paulo estava em Cristo e na força que Cristo dá.  Ao contrário de Paulo, muitas vezes nosso sofrimento é causado por nossa própria injustiça. Basicamente, ele pode ser o resultado indireto de não ter obedecido à Palavra de Deus.  Não obstante, Paulo nos revela o segredo de manter a alegria e a felicidade nos piores momentos da vida: buscar forças em Jesus.

Resistindo às tempestades da vida com senso de humor

Ron e Linda Brumley são um exemplo de discípulos de Cristo em muitas áreas, mas um dos aspectos que mais admiro neles é o senso de humor que ambos têm.  Embora estejam envelhecendo, a maneira leve de ser e a inteligência rápida que eles têm concedem uma notável juventude ao casal.

Na década de 80, Ron estava no hospital se recuperando de uma cirurgia.  O quarto estava lotado de amigos e familiares que tinham vindo visitá-los. Linda, é claro, estava ao seu lado. Ron começou a falar e o quarto todo ficou em silêncio.

“Linda,” disse ele, “há anos atrás você estava ao meu lado quando o médico nos deu a má notícia de que nosso filho tinha artrite reumatoide juvenil.”  Ao lembrar do susto que eles tinham passado, Linda fez que sim com a cabeça, recebendo olhares solidários vindo dos familiares.

“Linda,” Ron continuou, “você estava ao meu lado naquele ano quando nossa filha entrava e saía várias vezes do hospital lutando contra pneumonia.” Linda fez que sim com a cabeça novamente, lembrando-se dos momentos desafiantes que eles enfrentaram juntos. Os que estavam ao redor murmuravam palavras de apoio.

“E Linda,” Ron prosseguiu, “você esteve ao meu lado todas as vezes que passamos por dificuldades financeiras.” Mais uma vez Linda concordou, enquanto todos os amigos chegavam cada vez mais perto para ouvir cada palavra.

“Linda,” Ron afirmou com convicção, “você dá azar!”

Depois de alguns segundos, um pouco confusos e meio sem acreditar no que tinham ouvido, os amigos e familiares caíram na maior gargalhada. Linda, entretanto, já tinha entendido há muito tempo que Ron iria fechar aquele diálogo com uma piada no final.

Às vezes, ser uma boa esposa é também ser uma boa coadjuvante para seu marido.

Ron contou a Linda uma piada pela primeira vez há 50 anos atrás e eles ainda conseguem rir juntos.


Como em qualquer lista, esse item pode mostrar suas forças e fraquezas, o que já está presente e o que falta em seu relacionamento. Um check list revela onde você está e aonde você pretende ir. A boa notícia é que você pode celebrar o que está dando certo e pode fazer um plano para fortalecer o que está faltando em seu casamento.  Com a dependência de Deus e dedicação ao assunto, você logo estará assinalando todos os itens!